Álvaro

Alves
de Faria

"É NULO PENSAR QUE A POESIA POSSA"  - Parte 3 de 3

Graça Capinha
Da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Portugal.

[Mulheres do SHOPPING, pp.13-14]

Em 20 Poemas quase Líricos e algumas Canções para Coimbra, assistimos à expansão da identidade poética, a um sincretismo estrutural de espaços e tempos distintos, a um encontro com a memória em que o passado é presente e o presente se desfaz para recomeçar o processo.

Há um reencontro com a antiguidade, também a da tradição literária (evocada nos nomes de Sá de Miranda, de Torga ou de Camões) - uma antiguidade que parece tomar posse da voz de Alves de Faria, levando-o como num transe, falando-o. A imagem de Portugal, que é a imagem cristalizada no tempo que o emigrante transporta e cujos ecos ouvíamos na poesia anterior do poeta, é agora uma imagem que se destrói, um cristal que se parte, como se diz no poema 19:
e o gesto quebra o silêncio
como se quebrasse um cristal ausente, (…)

[20 Poemas quase Líricos e algumas Canções para Coimbra, p.60]

Esta destruição da memória é também a de uma parte de si próprio, que foi finalmente encontrada e que morre, "que se despede para sempre", como podemos ler no final de outro poema (11., p.44). Mas é nesta destruição que reside a possibilidade da nova criação, a possibilidade de um novo recomeço da linguagem da identidade poética em processo. E Álvaro Alves de Faria sabe que é esse presente permanente do futuro a construir-se que as palavras e a poesia têm que acompanhar:
12.

Aos poucos me refaço,
aos poucos me refiro,
aos poucos me retiro,
aos poucos me recordo,
aos poucos
aos poucos
aos poucos me transformo
aos poucos me atrevo,
aos poucos
aos poucos
aos poucos perco o pouco
aos poucos perco o pouso
aos poucos não consigo
aos poucos
aos poucos
a poucos passos da alma
de Coimbra
a poucos momentos do rosto
de Coimbra,
aos poucos
aos poucos Coimbra acho,
a alma
mais que a alma
aos poucos Coimbra mostra
aos poucos
aos poucos Coimbra nasce
e se acrescenta
e se faz
e se deslumbra
e se encanta
aos poucos Coimbra está,
aos poucos
aos poucos
aos poucos Coimbra é
no seu espaço
largo mais que a praça
que nunca se esquecerá.

[20 Poemas quase Líricos e algumas Canções para Coimbra. Coimbra: Editora A Mar Arte, 1999, pp.46-47]
  Jun.99

MENU ROLANTE:

siga as setas 

setas

Canal do Poeta

You are viewing the text version of this site.

To view the full version please install the Adobe Flash Player and ensure your web browser has JavaScript enabled.

Need help? check the requirements page.


Get Flash Player